4 CRITÉRIOS DOS CONSUMIDORES PARA COMPRAR NA CRISE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A renda real dos brasileiros caiu 5,36% em 2015, o crédito está mais caro e a confiança segue em queda. Não à toa, portanto, que os brasileiros adotaram novos comportamentos de consumo. 

Segundo pesquisa realizada pela Kantar Worldpanel, apresentada na feira e congresso internacional da Apas 2016, que começou hoje (02), em São Paulo, os brasileiros estão fazendo escolhas mais inteligentes de consumo, mas segundo quatro critérios específicos.

1. Planejamento
Antes de comprar, os consumidores estão racionalizando o processo da compra e estão planejando mais – mesmo quando essa compra é de menor valor. “Voltam as compras do mês, e o sábado começa a ganhar mais espaço”, explica Christine Pereira, diretora comercial da Kantar. “Ele paga essas compras com cartão de crédito e faz durar essas compras”, explica. 

2. Valor
Os brasileiros buscam valor entre categorias e segmentos. Aquele que entregar mais valor, sai na frente. “Aqui, para o consumidor, vale a pena pagar um pouco mais, principalmente em categorias que ajudam ele dentro de casa, já que ele está mais em casa. E que torne a vida dele mais fácil”, afirma a executiva. Um exemplo de valor é a troca de alguns itens, mesmo sendo mais caros: a venda de margarina caiu 1,2% no ano passado, ao passo que o cream cheese cresceu 12%. 

3. Saudabilidade
Não é porque a crise bateu à porta que os brasileiros deixaram os cuidados com a saúde de lado, ao contrário. Esses itens têm crescido em venda e importância e, na hora de comprar hoje, os brasileiros buscam integrar saúde e sabor. Mesmo eles sendo mais caros, coloca-los na cesta está relacionado a preocupação cada vez maior dos brasileiros com a saúde – 49% deles se preocupam, perdendo apenas para a segurança. Há também aqui uma compra de indulgência: ele está cortando tanto de um lado, que compensa de outro. “Essa é uma tendência que veio pra ficar. Mas ele busca o que é saudável e gostoso. Ele vai se permitir aqui”, comenta a executiva. 

4. Custo e benefício
A dobradinha sempre querida por qualquer consumidor no mundo ficou ainda mais forte na crise. O consumidor busca hoje preço, promoção, formatos e embalagens são levados em conta. “Ele vai escolher mais. Ele vai fazer um balanço mesmo. Para alguns determinados segmentos, ele vai optar por embalagens econômicas. E se for itens de reposição ou necessidades específicas, ele vai focar em embalagens menores”, afirma. Para a especialista, o desafio está em fazer promoções que vão além da redução de preços, e que tragam alguns benefícios. Segundo a pesquisa, 43% dos consumidores consultam os tabloides antes de irem às compras. 

O que fazer diante desses critérios? Para a executiva, o ideal é buscar conhecer melhor o consumidor em todos os seus desejos e necessidades. “Quem está indo a minha loja, precisa entender o que e como está convertendo, porque esse momento é único e precisa ser trabalhado”, afirma. “Tem de pensar em como facilitar a vida do consumidor e focar no propósito específico do meu negócio e pensar em qual é o beneficio que eu tenho, e inovar”, afirma.

Fonte: No Varejo