5 TENDÊNCIAS DE TECNOLOGIA PARA O VAREJO QUE APARECERAM NA “BIG SHOW”.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Varejistas lidam com concorrência online.

Na Big Show  deste ano, recentemente concluída, o maior evento de comércio varejista do mundo organizado pelo grupo de comércio National Retail Federation, mais de 35.000 participantes – incluindo os principais varejistas de todo o mundo – se reuniram no Javits Center no início da semana para discutir  as atuais tendências e explorar como a tecnologia poderia ajudar os varejistas a atrair compradores e gerar mais lucro.

Muitos executivos de alta tecnologia da Intel para a IBM tomaram o centro do palco, uma vez que o Big Data e Analytics  e outras tecnologias cada vez mais se tornam uma parte fundamental da estratégia de sobrevivência e sucesso dos varejistas. O CEO da Intel, Brian Krzanich, disse que o gigante da tecnologia planeja gastar US $ 100 milhões nos próximos cinco anos em iniciativas relacionadas ao varejo.

Os varejistas lidavam com tópicos de tecnologia enquanto comentavam sobre a luta para competir contra a Amazon. Cada semana chegam mais notícias sobre uma amplo número de lojas de departamentos, vestuário e outros varejistas sangrando vendas e fechando lojas. Os consumidores ainda preferem comprar em varejistas com uma presença on-line e física, enquanto muitas cadeias de lojas físicas contam com iniciativas como uma estratégia mais inteligente para ajudá-los a vencer os varejistas online e trazer tráfego para as lojas.

Aqui estão os principais achados da Big Show, resumidos em cinco principais tendências tecnológicas a serem observadas.

No. 1: Aprendizagem mecânica e inteligência artificial

A tendência de usar computadores para aprender sobre o comportamento e padrão do consumidor e ajustar o marketing do produto e estratégia de desconto em conformidade, continuará a dominar as conversas, especialmente após o sucesso do assistente de voz digital da Amazon e do Alexa-powered Echo.

A Staples, gigante de material de escritório, por exemplo, está dando ao seu tradicional “Easy Button” um novo aperfeiçoamento tecnológico. A empresa está usando o serviço da IBM,  Watson Conversation, para permitir que pequenos e médios clientes de varejo façam perguntas como “Qual é a senha do Wi-Fi do meu escritório?” E para encomendar mercadorias e acompanhar as remessas.

“Estamos em modo de coleta de dados”, disse Faisal Masud, chefe de tecnologia da Staples, em entrevista. “Nós estamos aprendendo sobre nossos clientes. É um processo de descoberta para nós. Isto nos dá uma visão sobre nossos clientes. Nós não saberíamos o que mais aconteceria se fossem apenas pedidos de clientes em nosso site”.

N º 2: Robôs estão chegando e esperem que eles estejam tanto na frente da loja e no depósito.

Os robôs, sejam da  Softbank, que geram buzz, para a Pepper em  um stand de aparência indescritível, serão usados tanto como meio para aumentar tráfego da loja como também como ferramentas para ajudar a assumir algumas tarefas domésticas. Por exemplo, espere ver robôs andando em corredores de loja para verificar o nível de estoque. Robôs também foram desenvolvidos para embalar as peças, digamos, numa caixa de produtos pessoais de um  serviço de assinatura,  o que era feito anteriormente por seres humanos.

“A robótica está aqui”, disse Steve Carlin, vice-presidente e gerente geral da SoftBank Robotics America. Os varejistas estão nos dizendo que “estamos tendo dificuldade em contar a história da nossa marca. Como você pode nos ajudar a contar essa história para que os consumidores não vão para outro lugar?”

A Softbank está introduzindo  o robô humanoide  Pepper para varejistas nos EUA, agora que teve sua estreia nos na Califórnia, em novembro. Carlin argumentou que a forma de Pepper é um fator que  faz a diferença. “Não é uma tela plana que é estática”, disse ela. “Se você tem Echo ou Google Home, você vai esquecer que está lá. Não temos escassez de pessoas interessadas na  Pepper.”

N.º 3: RFID

A RFID (Identificação por Radio Frequência), que tradicionalmente tem sido usado como uma ferramenta para ajudar os varejistas a combater o roubo e perda, está recebendo um foco diferente, especialmente ao tempo que o custo  do tag diminui. A Levi’s, por exemplo, está trabalhando com a Intel para usar tags RFID e sensores para ajudá-lo a rastrear o inventário da loja em tempo real.

“ A visão do inventário em loja  é um velho problema para o varejo”, disse Carrie Ask, vice-presidente executivo da Levi e presidente do varejo global. ” Fora de estoque” e ” não pude encontrar meus itens “são as duas maiores barreiras de compra.”

Ask disse que esse temas são mesmo os mais urgentes para os atuais varejistas de lojas físicas, especialmente porque enquanto o tráfego da loja possa estar baixo, aqueles consumidores que visitam lojas têm realmente uma maior intenção de compra.

“O inventário é a causa principal dos compradores irem menos às lojas”, disse Joe Jensen, vice-presidente do Grupo  Internet das Coisas da Intel e gerente geral da unidade de soluções de varejo.

Nº 4: Chatbots

Como parte da tendência de um guarda-chuva mais amplo sob a análise e inteligência artificial da Big Data , os varejistas usarão cada vez mais chatbots para testar ou recomendar produtos, ou para atender às necessidades de atendimento ao cliente. Por exemplo, a 1800-Flowers apresentou um assistente de presentes que usa processamento de linguagem natural para aprender conversa e dar dicas a clientes como a compra de rosas ou tulipas. A designer de moda Rebecca Minkoff está usando um serviço de chatbot para testar novos produtos.

Nº 5: Customização e personalização

Na esteira do sucesso da personalização do Converse oferecido pela  Nike,  muitas outras empresas também entraram no comboio da personalização e viram o sucesso. “ Customização é o futuro” disse Jodi Foz, co- fundador e Diretor de Criação da Shoes of Prey, que permite que seus clientes criem sapatos escolhendo altura do salto, a cor e largura. “Temos aí um movimento”.

Em outro exemplo, a Xerox marcou presença na feira ao promover sua impressora inkjet “direto-ao-objeto”, que pode fazer design customizado e, diz ele, imprimir um nome numa garrafa em apenas um minuto. “nós vemos um enorme mercado no segmento de varejo (para a impressora jet),! Disse John Mangieri, um especialista em soluçoes customizadas da Xerox. “ é sobre personalização, customização e gratificação imediata.”

Fonte: Andria Cheng

https://www.emarketer.com/Article/Five-Retail-Tech-Trends-that-Emerged-Big-Show/1015074?ecid=NL1014