COMO ADAPTAR O VAREJO PARA OS CONSUMIDORES DA GERAÇÃO Z?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Consumidores da Geração Z são pessoas nascidas a partir de 1995, é a geração conhecida como Pós-Millennials. Fato é que esses novos consumidores estão chegando ao mercado com percepções muito diferentes das gerações anteriores. Em 2016, cerca de 32% da população brasileira pertence à Geração Z. Esses jovens nasceram num ambiente totalmente diferente das gerações anteriores. Eles conheceram o mundo já com a internet e o smartphone. A diferença do comportamento desses consumidores em relação às gerações anteriores, é diretamente associada à mudança que as novas tecnologias causaram no hábito das pessoas nos últimos 20 anos. Várias organizações estão se esforçando para adaptar seus produtos e processos, mas ainda são consideradas “analógicas” num mercado que logo será dominado pelos nativos da era digital. Diante destas mudanças inevitáveis, se destacarão as marcas que primeiro gerarem relacionamentos com essa geração.

Apesar de considerarmos jovens os nascidos depois de 1995, a Geração Z está ganhando autonomia. Separando apenas os consumidores com maior poder de decisão no processo de compra, vamos considerar os adultos entre 18 e 59 anos, em 2016 mais 12% dos pertencem à Geração Z. Em 2020, daqui apenas 4 anos, serão 18%. Confira abaixo, algumas dicas para adaptar os negócios à nova geração.

Assuma que o virtual é real.

Se os Millennials foram os pioneiros no uso da internet, a Geração Z irá dominá-la. Para os novíssimos consumidores o mundo não está conectado, ele é conectado. Não existe separação entre os canais de compra como ainda entendem e tentam organizar as gerações anteriores. Físico e virtual estão totalmente interligados, e são reais. Marcas e espaços de compra são mais valorizados quando estão associados e acontecem simultaneamente.

Fique em contato. O tempo todo.

Segundo uma pesquisa recente do Intercep Group, a comunicação rápida e constante é um fator característico e altamente influenciador para Geração Z. Estar em contato o tempo todo, responder rapidamente, ser objetivo e autêntico nas relações é um fator que gera confiança. Segundo a mesma pesquisa, 75% dos consumidores dessa geração acreditam fortemente na recomendação feita por pessoas, organizações e marcas que confiam.

Seja a opção mais legal de todas.

Não se trata de ser o mais eficiente para essa geração, mas ser o mais “legal”. Boa proposta de valor, design incrível e grandes histórias conquistam a preferência, e o coração, da Geração Z. Diferente das gerações anteriores, eles não compram porque precisam ou merecem, eles compram porque se identificam, acreditam e querem. Os produtos de que necessitam são percebidos como “commodities”, têm baixo valor agregado, diferente daqueles que querem, escolhem e se identificam. Pense no “quanto legal” sua proposta de negócios é para essa geração que está chegando e irá dominar o consumo.

Pense em cidadãos, não em consumidores.

As relações de consumo já ultrapassaram a barreira de uma transação comercial. Valores pessoais e emoções fazem parte da decisão de compra. O “consumidor” tem foco ainda mais amplo, valores sociais, paixões, preocupações e expectativas de comportamento das marcas que se relacionam entre diversos outros fatores que ultrapassam o “consumo”. Pense numa proposta de valor para cidadãos.

Menos propaganda, mais soluções.

Ao invés de grandes investimentos em propaganda off-line e on-line, resolver os problemas dos clientes e apostar na propagação das experiências positivas pode ser um ótimo negócio. Os consumidores dessa geração são mais sensíveis às experiências de outros clientes, comentários favoráveis e boas percepções de marca ao invés da simples propaganda.

Assim como a tecnologia e o mercado, o consumidor também está mudando.

Fonte: O Negócio do Varejo