COMO MAXIMIZAR OS RESULTADOS DA MINHA REDE DE LOJAS?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

As empresas estão se tornando cada vez mais complexas conforme ampliam sua atuação, seus canais de vendas e distribuição, seus formatos de lojas, suas linhas de negócios, seus portfólios de produtos, somam-se os desafios da omniera , e os tempos de baixa demanda com os agravantes da crise econômica e política.  Neste contexto,  gerenciar a performance para atingir melhores resultados requer um novo modelo de gestão, muito mais profissional, eficiente e analítico.

A maturidade de gestão do varejo ainda é baixa, principalmente para as empresas inseridas no middle market.

Os varejistas devem direcionar seus esforços imediatos para:

1- Repensar seus formatos e tamanhos de lojas físicas, considerando que quanto maior a metragem da loja, maior a necessidade de skus e estoque, e consequemente um custo elevado operacional (comprar mais, receber mais, maior o frete para as lojas…).

2- Avaliar o fechamento e eliminação de lojas, formatos, bandeiras, canais, clientes, e regiões deficitárias e que não adicionam valor ao negócio.

3- Redefinir o sortimento/portfólio de produtos da empresa, e posteriormente a adequação por PDV. Cada loja, cada cluster de lojas possui um comportamento de vendas diferente, fundamental identificar essas variáveis e adaptar o mix, a gestão de produtos, o layout por loja, a disposição e tamanho ocupado pelas categorias, exposição e planograma.

4- Desenvolver a gestão de estoques e abastecimento das lojas, preocupar-se com melhores controles de limites e cobertura de estoques por fornecedor para o CD e para as lojas, maior integração com fornecedores chaves, reduzir o prazo de abastecimento das lojas e entrega ao cliente final, e minimizar a ruptura nos PDVs e CD(s).

5- Aprimorar a maneira de precificar e gerenciar as mudanças de preços, utilizar novas estratégias de preços como por exemplo o valor percebido, repensar o markup por categoria, subcategoria e/ou SKU, realizar pilotos de mudanças de preços e avaliar o impacto no comportamento de vendas, utilizar ferramentas de dynamic pricing.

6- Melhorar os programas de premiações e remuneração variável da equipe de vendas, elabor programas de recompensa baseado em um conjunto de indicadores, que não seja apenas em relação a Venda Total, mas que considere outros KPIs como itens por cupom, venda de produtos ou categorias específicas, produtos com maior margem, ticket médio, campanhas.

7- Automatizar processos manuais, mapear e redesenhar os processos de lojas e departamentos, migrar para o sistema o que ainda é realizado manualmente e controles em planilhas de excel, utilizar ferramentas tecnológicas desde um simples leitor para leitura de código de barras até o uso de WMS, CRM, entre outras opções, melhorar processos atuais principalmente os atrelados a operação e supply (Exemplo: Separação em onda ao invés de separação por pedido).

8- Elaborar indicadores e relatórios para tomadas de decisões mais rápidas e melhores, considerando uma visão consolidada dos principais indicadores e relatórios para gerir a empresa, e uma visão detalhada por área da companhia. É comum o Varejo não ter um relatório de DRE por loja sem conseguir identificar o Lucro Líquido/Prejuízo, não ter um único relatório que mostra os principais indicadores das lojas, e apresentar um alto déficit de KPIs como frequência de compra, taxa de conversão, itens por cupom, lucro por cliente… .

9- Engajar os colaboradores, conseguir com que as lideranças estejam mais preparadas para melhor influenciar as equipes em busca dos principais objetivos, criar programas que corroboram para que os valores e cultura da empresa sejam sempre lembrados e praticados por todos.

10- “Retail is Detail” realmente são os pequenos detalhes que farão a diferença, necessidade de estar próximo da execução do dia-a-dia, é no chão de loja e na operação diária que estão concentradas as pequenas mudanças necessárias para atender melhor, ser mais eficiente e lucrativo. Ficar menos tempo na mesa e nos emails, visitar mais clientes junto com suas equipes, participar mais do dia-a-dia de cada área, conversar mais com todos das equipes e não somente com os Gerentes, são atitudes fundamentais para encontrar os “detalhes”.

O Varejo sempre foi conhecido por “primeiro vamos expandir” para depois fazer a lição de casa, e em muitas redes esse mind set deu muito certo em tempos de bonança de demanda e mercado, vivemos um novo tempo, pelo qual fazer a lição de casa primeiro para depois crescer sustentavelmente, será muito mais assertivo e rentável.

Fonte: O Negócio do Varejo