O QUE É FUNIL DE VENDAS E COMO APLICÁ-LO AO VAREJO?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Empresas do varejo lidam diariamente com um alto volume de possíveis clientes, objeções de compra, pessoas que entram no ponto de venda e com as vendas de fato. No meio de tudo isso, é normal que aconteçam objeções e perda de alguns consumidores; porém, a boa notícia é que é possível potencializar o aproveitamento dos esforços e otimizar os resultados com um funil de vendas.

 

Essa estratégia procura traçar o caminho dos compradores de um determinado negócio, desde o primeiro contato até o relacionamento que se desenvolve até o momento da venda. Quer ver como fazer isso? Então continue lendo para descobrir o que é funil de vendas e saber como adequá-lo ao varejo.

 

O que é funil de vendas?

 

O funil é uma representação do caminho que um potencial cliente faz, desde o primeiro contato com a empresa até adquirir seu produto ou serviço. A estratégia é conduzir os consumidores por esse caminho com o objetivo de aumentar a taxa de conversões — ou seja, a quantidade de pessoas, dentre as que entraram em contato com a loja, que efetivamente realizam a compra.

 

O funil é dividido em 3 etapas, uma para cada momento do comprador. Dessa maneira, ele permite detectar correções necessárias para que o volume das vendas não realizadas possa ser reduzido, na medida em que possibilita a identificação de em qual dessas etapas mais potenciais clientes estão sendo perdidos.

 

Vamos ver um pouco mais sobre quais são as etapas do funil e como elas funcionam dentro da estratégia:

 

Topo do funil

 

Nesse momento, as ações são voltadas à atração, tentando trazer o máximo possível de pessoas para a loja. Isso porque, a cada etapa transposta, algumas pessoas ficam para trás, seja porque ainda não estão prontas para comprar ou porque simplesmente não têm o perfil que sua loja atende.

 

Para ter sucesso nessa fase, as ações devem ser bastante abrangentes e despertar interesse. Por exemplo, no caso de uma padaria, uma ação eficaz é posicionar o negócio em local movimentado e de fácil acesso, ou próximo a residências, onde seja facilmente visto pelos moradores. Além disso, e como uma regra básica do comércio, uma vitrine bem montada também é uma excelente ação de topo de funil, pois atrai um grande número de pessoas.

 

Meio do funil

 

No meio do funil estão as pessoas que já foram atraídas para a sua loja e estão considerando a compra. Usando os exemplos anteriores, é o possível cliente que parou para ver a vitrine ou que entrou na padaria e está analisando se o que tem ali é o que ele precisa.

 

Nesse caso, o interesse da pessoa já foi despertado e é preciso um esforço mais próximo para passá-la para o estágio seguinte e convencê-la a comprar. Etiquetas com valores ou ingredientes e vendedores bem treinados são fundamentais para responder às considerações do cliente em potencial.

 

De fato, o item decisivo nesse estágio pode estar no atendimento dos vendedores. Perguntas e afirmações condutivas — como sobre o que a pessoa gosta ou do que ela precisa, aproveitando as informações que ela já deu — são fundamentais para que o cliente passe da fase de considerações sobre os produtos para a decisão de compra.

 

Fundo do funil

 

É nessa etapa em que acontece a efetivação da compra. Se as fases anteriores forem feitas corretamente, a taxa de conversão no fundo do funil será bastante alta; porém, não adianta esperar que o cliente simplesmente decida comprar por conta própria. Assim, as ações do segundo estágio ainda são válidas, com a diferença de que, nesse momento, o foco deve ser no benefício que a loja tem a oferecer.

 

Seguindo com o exemplo da padaria, nesse momento o vendedor deve apontar para o cliente que já decidiu comprar pães que os seus são mais gostosos e fresquinhos do que os da concorrência. Outro exemplo: se o atendente disser que muitas pessoas estão gostando de um determinado sabor de um bolo, é provável que as chances de realizar mais uma venda do produto aumentem.

 

Por que esse processo funciona?

 

A principal vantagem do funil de vendas é que, com ele, é possível ajustar as ações de venda ao momento do cliente, concentrando esforços nas ações mais eficientes sem deixá-lo desemparado durante os momentos importantes da sua jornada de compra.

 

Afinal, sem um atendimento que esclareça suas principais dúvidas durante o momento de consideração, o cliente dificilmente fechará a compra. E ainda que essa etapa seja bem planejada e executada, é necessário também um impulso final na compra, para que não surja nenhuma objeção ou para transpor aquelas que aparecerem.

Vale mencionar ainda que, por otimizar a operação de forma natural, o funil também agrega valor à experiência do consumidor, o que contribui para a fidelização.

 

Como desenvolver o funil de vendas?

 

Em qualquer empresa do varejo, um funil eficiente começa na análise de como as etapas acima estão acontecendo, em qual momento está havendo maior perda de clientes e por que o volume de vendas não cresce.

 

Para realizar esse diagnóstico, uma boa ideia é o gerente perguntar aos funcionários — que, afinal, estão na linha de frente e conhecem bem o dia a dia da loja — quais são as principais objeções apresentadas pelos potenciais clientes e os motivos mais comuns pelos quais as vendas não acontecem.

 

De posse dessas informações, é preciso avaliar o que pode ser feito para aumentar o potencial de atração da loja e garantir uma boa conversão nos estágios seguintes. É importante também prestar especial atenção às duas etapas finais do funil, que são onde geralmente acontece mais perda de clientes.

 

Aplicar o funil no varejo permite ter uma visão mais clara das vendas que não se concretizam e dos motivos que levam a essas perdas, otimizando as vendas. Assim, as empresas podem planejar as operações para alcançar os resultados esperados e reverter a parcela perdida.

Fonte: Varejista