O VAREJO EM 2020: REINVENTADO OU ADAPTADO?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

William Kim, CEO da AllSaints, varejo de moda britânico, com um acento gótico que se caracteriza pela grande conexão com o público millennial, revelou que o diferencial da sua loja está longe de ser a moda que vende e propõe. Também não é exatamente a loja. A AllSaints tem como grande diferença competitiva…o seu Centro de Distribuição.

Para ele, olhar para o Centro de Distribuição apenas como função é desprezar o que ele tem de melhor: ser a sua maior loja. Uma loja tão fantástica que pode atender clientes de um país inteiro, unificando a experiência física e digital. Com uma prosa mansa, mas convicta, Kim diz que o varejo de hoje é digital, na medida em que seus clientes também são. E o digital, na essência, não pode ser “comprado”. O digital “é um framework, um mindset”, expande as possibilidades do cliente e o faz exigir tudo.

Por isso, o CEO da AllSaints aposta na inteligência agregada ao CD – um só inventário, todos os itens disponíveis, qualquer um deles, acessíveis ao comando do cliente. “Tap, ask and have” (toque, peça e tenha).

Reinvenção é invenção?
Esse é o ideal de um varejo voltado e pensado para 2020. Um varejo de moda que se reinventa não pelo estilo, mas pela chance de corresponder a um estilo. Joe Jackman, CEO e fundador da Jackman Reinvents, propôs, em seu painel, uma visão diferente mirando o futuro: o retorno às origens, ou à essência que permitiu a criação de uma rede de varejo sólida. Para Jackman, a reinvenção de uma rede varejista passa pela depuração de todas as camadas de tecnologia e conceitos incorporados ao longo da jornada da empresa para revigorar aquilo que caracteriza o DNA vencedor.

Joe Jackman discutiu sua teoria com dois varejistas consagrados, cada qual em seu segmento: Arthur Martinez, Executive Chairman da Abercrombie & Fitch USA e Sérgio Herz, CEO da nossa Livraria Cultura. Jackman propôs 7 conceitos que estruturam a sua visão de “back to basics”: firmeza de princípios, colaborar, pensar como empreendedor, considerar tudo o que que sensibiliza o consumidor, transformar feelings em fatos, colaborar, focar e revigorar o DNA.

Sergio Herz foi enfático ao dizer que nada pode acontecer sem pessoas sintonizadas com o propósito da empresa. E disse que a grande dificuldade da Livraria Cultura, além de vender cultura e livros para um povo que pouco lê, é justamente encontrar pessoas que compartilhem dessa visão e desse ideal. Martinez concordou com Herz e ainda complementou: “o líder deve identificar rapidamente quem pode e quem não pode, quem funciona e quem não funciona. Sem pessoas de confiança, negócio nenhum prospera, quanto mais se reinventa.

O CEO da Livraria Cultura foi além: “reinvenção é sempre sobre líderes e novas pessoas. Mentes diferentes, visões diferentes. Para que eu possa competir com players como Amazon, eBay, Alibaba, só com novas ideias”.

Adaptado para ser melhor
E então, William Kim junta-se a Sergio Herz em sua visão de “recriar o varejo para 2020”: “os millennials não compram livros. Eles não gostam de ler” e para falar com eles precisamos pensar em customização e conveniência. A criação de uma marca “digital”não é coisa para um departamento ou dois, é para a empresa toda se envolver. Não se terceiriza a posse e prerrogativa de contar a própria história. Na mesma linha, Sergio Herz disse que quando sua empresa abriu mão da parceria com um fundo de investimento, foi justamente por ter a consciência de que o crescimento não poderia ser acelerado em detrimento da história construída por anos e anos. Ou seja, redes diferentes, de segmentos diferentes, de culturas diferentes, endossaram a necessidade de se manter uma visão particular.

Kim, Herz e, talvez, Martinez (que comanda uma marca sob a qual pairam dúvidas sobre princípios, mas deixemos a ele um voto de confiança) sabem que o bom varejo, a empresa sólida e consistente é aquela que não precisa se “despir das camadas de conceitos e tecnologias incorporadas”. Antes, ela precisa é ter a capacidade de se adaptar às circunstâncias, à evolução do consumidor e permanecer fiel aos seus princípios, valores e ideias.

A reinvenção do varejo, sob essa ótica, é apenas uma expressão pomposa para dar mais charme à boa e velha integridade.

Fonte: Portal no Varejo