O varejo social continua a evoluir. As compras podem não estar acontecendo onde você acha que estão.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
O comércio social é um desses assuntos que atraem periodicamente o interesse dos marqueteiros, mas ainda tem que decolar mais fortemente.

Até mesmo sua definição está se tornando cada vez mais fluida. Onde uma vez se referia às vendas diretas, particularmente “comprar botões” para usuários clicarem e comprarem um item imediatamente, hoje expandiu-se para abranger influência, dias ou semanas de consideração e múltiplos canais de compra – até mesmo a loja.

Uma pesquisa da Cowen & Cia, empresa focada nos Millenials, realizada em dezembro de 2017, evidencia o estado atual do varejo social. Todas as plataformas sociais têm influência no comportamento de compra e, sem surpresa, maior entre os usuários mais jovens.

As plataformas sociais também são veículos de descobertas.

Cerca de 38% dos millenials descobriram uma marca no Facebook que acabaram comprando, seguido de perto pelo Instagram (37%).  Ambos os números foram superiores à média geral de 30% para o Facebook e 29% para o Instagram.

Enquanto o Pinterest apresentava taxas mais elevadas de postagens orgânicas que levaram à compra, o Facebook chamou a atenção dos usuários com anúncios pagos e o Instagram teve níveis de compradores similares oriundos de postagens e anúncios orgânicos.

Talvez a descoberta mais interessante, no entanto, tenha sido onde os usuários de redes sociais realmente compraram produtos que eles viram nessas plataformas. A Amazon foi a número 1 (42%) para marcas vistas no Facebook. Na verdade, a Amazon ocupou o primeiro lugar para todos os sites / aplicativos sociais incluídos na pesquisa, exceto o Instagram.

 

* 2.700 entrevistados - acima 18 anos. Fonte: Cowen and Company - 8 /03/18

 

Os botões “Compre agora” geralmente levam os compradores ao site da marca dentro de um framework Instagram, então faz sentido que 40% dos entrevistados o cite. Muito poucos desses entrevistados compraram diretamente em plataformas sociais, provavelmente porque muitos não proporcionem tais transações. Mesmo o Pinterest, um site que fez esforços para incentivar as compras dentro dele, capturou apenas 18% das compras.

A proporção de compras que ocorreram em lojas físicas giram entre 14% e 17% em todas as cinco plataformas, o que é uma boa lembrança de que o caminho para a compra geralmente envolve múltiplos canais.

Uma questão, além dos hábitos de compra, é onde o cobiçado público millenial está gastando tempo em atividades sociais. O eMarketer recentemente estimou que o Facebook perderá 2 milhões de usuários com idades de 24 anos para baixo este ano e uma pesquisa realizada em janeiro de 2018 pela Moosylvania descobriu que o uso do Facebook caiu entre 2017 e 2018 entre os millenials, em ambos os extremos desse público – de 52% para 40% para as idades 17 a 27 e 48% a 33% para usuários de 28 a 38 anos.

No entanto, de acordo com o eMarketer e Moosylvania, o Instagram ainda atrai usuários mais novos. O eMarketer prevê que o Instagram adicionará 1,6 milhão de usuários com idades acima de 24 anos em 2018 e Moosylvania identificou o uso de Instagram constante para esse segmento mais jovem (33%) e crescimento  para 24% entre os millenials mais velhos.

 

Fonte: e-Marketer Retail